24/10/2019
Ganhador do Nobel recomenda taxar ricos para estimular economia

Texto: Bloomberg Brasil
Foto: Brett Hondow/Pixabay

Como estimular a demanda em uma economia? Aumentando impostos em vez de reduzi-los, responde um vencedor do Prêmio Nobel de Economia de 2019.

Baixar impostos para impulsionar o investimento é um mito promovido pelo setor privado, garante Abhijit Banerjee, que levou o prêmio juntamente com Esther Duflo, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e Michael Kremer, da Universidade Harvard, pelo trabalho sobre diminuição da pobreza global. “Isso dá incentivos aos ricos, que já têm toneladas de dinheiro.”

Uma abordagem melhor seria subir alguns impostos e distribuir o dinheiro para as pessoas gastarem, disse Banerjee em entrevista realizada na segunda-feira em Nova Déli, onde ele promovia seu livro ‘Good Economics for Hard Times’ (ainda sem tradução no Brasil).

“Não se impulsiona o crescimento cortando impostos, isso se faz dando dinheiro para as pessoas”, argumentou ele. “O investimento reagirá à demanda.”

China, Índia e Indonésia estão entre os países que estão baixando impostos corporativos para estimular o crescimento econômico, diante da perspectiva global desanimadora. Neste mês, o Fundo Monetário Internacional reduziu a projeção para a expansão global em 2019 pela quinta vez consecutiva, para 3%.

Neste ano, a China introduziu cortes de impostos equivalentes a US$ 280 bilhões sobre renda pessoal e lucros corporativos. A Índia surpreendeu ao baixar impostos para pessoas jurídicas no valor de US$ 20 bilhões. A Indonésia planeja diminuir a alíquota tributária para empresas de 25% para 20%.

Cobrar impostos dos ricos se tornou uma questão fundamental para os potenciais candidatos do Partido Democrata na disputa pela Casa Branca contra o presidente Donald Trump, que prometeu mais cortes “substanciais” de impostos no ano que vem.

A crescente desigualdade em países desenvolvidos como os EUA causa revolta e contribui para as tensões comerciais, disse Banerjee. “É inacreditável que, em nome do crescimento, tenham permitido a explosão da desigualdade a este ponto”, acrescentou ele.

Desaceleração na Índia

Na Índia, onde o crescimento recuou para o menor patamar em seis anos, o ganhador do Nobel recomenda que a política pública seja mais expansionista.

Além de baixar os impostos corporativos, o governo indiano adotou várias medidas para reverter a desaceleração, incluindo a retirada de um imposto sobre capital estrangeiro e a facilitação da compra de veículos. O estímulo fiscal intensificou preocupações com a ampliação do déficit orçamentário.

”Diante da queda na demanda, não é ruim o governo ser expansionista”, afirmou Banerjee. “Se a intenção é estimular a demanda e o corte de impostos corporativos não fizer isso — conforme eu antevejo —, então o que se faz?”







Outras Notícias:

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades.
Sindicato do Pessoal do Grupo de Tributação, Arrecadação e Fiscalização TAF do Estado do Espírito Santo. Av. Nossa Senhora dos Navegantes, nº955
Edifício Global Tower, salas 714 e 715 / CEP: 29050-335 - Enseada do Suá, Vitória – ES.
Tel. (27) 3325 - 3439 | E-mail: jornal@sindifiscal-es.org.br